Red Velvet Simples


Red Velvet. Demasiado cliché? Talvez sim, talvez não. Acaba por não ser um verdadeiro red velvet. Despido. Simples. Sem recheio e cobertura de queijo creme. Acompanhado de umas natas batidas em chantilly. Assim, bem simples como eu gosto e sem grandes coberturas.
Para celebrar o amor. Todos os tipos de amor, todos os amores, todas as coisas que nos fazem sorrir e amar. E bater o coração, bem forte e imenso. Cá dentro.

Não vou falar de amor, porque não cabem aqui todas as palavras para o descrever. Tudo é limitado para o dizer.
Às vezes penso que queria ter dois corações, que só num não cabe todo o amor. Talvez por essa razão, tenha mesmo de ser partilhado. E um bolo doce tem esse poder, da partilha.
Pois aqui fica um pedaço desse amor. Em tons de vermelho e dias de inverno, ao som de uma banda sonora preferida, que nos arranque sorrisos pelo caminho da vida.




Red Velvet Simples

2 chávenas de farinha trigo
1 colher (chá) de fermento
1 colher (sopa) de cacau em pó
1 chávena de açúcar mascavado
3 ovos
100 gr de manteiga derretida e fria
1 colher (chá) de corante vermelho em gel
1 colher (chá) de vinagre de sidra
1 colher (chá) de bicarbonato de sódio
1 chávena de buttermilk

Para servir:
200 ml de natas frescas
2 colheres (sopa) de açúcar baunilhado


Preparação

Pré-aquecer o forno a 180ºC e untar muito bem com manteiga uma forma de bolo.
Preparar o buttermilk juntando uma chávena de leite com uma colher de sopa de sumo de limão, mexer bem e deixar a repousar por 10-15 minutos antes de usar.
Misturar a farinha com o fermento e o cacau, numa taça e reservar.
Noutra taça colocar os ovos e o açúcar e bater com a batedeira eléctrica, até ficar uma mistura espumosa e volumosa. Adicionar depois a manteiga derretida e mexer bem.
Juntar o corante nesta fase e misturar bem na massa, até obter a cor pretendida (poderá juntar mais se achar necessário). Em seguida misturar o vinagre com o bicarbonato, deixando fazer uma espuma e juntar à massa.
Adicionar metade do buttermilk e mexer bem, seguindo-se metade da mistura da farinha e envolver. Juntar o restante buttermilk e farinha e mexer bem a massa até ficar homogénea.
Colocar a massa na forma preparada e levar ao forno até cozer (teste do palito).
Desenformar o bolo depois de retirar do forno e deixar arrefecer totalmente.
Para as natas, bater bem até ficarem firmes e volumosas, adicionando o açúcar e voltando a bater até ficar bem incorporado. Manter no frio até servir.
Na altura de servir o bolo pode optar por servir simples e com as natas batidas ao lado, ou cobrir o bolo com o chantilly.

Bom Apetite!



French Toast com Chocolate e Banana



Há algo nos pequenos-almoços que me seduz. Especialmente se forem com tempo. Acho que já o disse, mas volto a dizer, que não me importava nada de comer esta refeição mais vezes, a outras horas do dia. Como que "brunchar" sempre que apetece, e substituir lanches, almoços e mesmo jantares com coisas boas das manhãs. Sem pressas.
Não consigo ficar indiferente a um prato cheio de panquecas empilhadas e com maple syrup a escorrer. E quem diz panquecas, diz waffles, croissants, folar torrado com manteiga, pão doce caseiro com compotas, rolinhos de canela a sair do forno, scones, muffins com fruta e outras coisas boas. Há dias em que só me apetece comer destas coisas. 

E foi neste domingo passado, que tive vontade de comer rabanadas. Eu que nem sou muito de fritos. Mas lá veio o apetite por algo tão bom e com uma crosta de açúcar e canela. A melhor solução para mim é fazer no forno em vez de fritar, ficam sempre mais do meu agrado. E são uma óptima solução para gastar pão duro (eu nunca deito fora pão, ou congelo, ou uso em torradas, croutons e pão ralado, nada de desperdícios). 
Que a vontade seja feita. E já que vai ser feita, que seja em grande estilo, afinal de contas é domingo (muitas vezes o meu único dia de folga e aventuras destas gulosas). 
Lembrei-me do livro 'Top with Cinnamon' da Izy Hossack (ela sabe de bons pequenos-almoços!) e foi lá que encontrei estas rabanadas ou french toast de forno. Com creme de chocolate e avelã e banana. Só vos digo que não me importava nada que fosse outra vez domingo!







French Toast com Chocolate e Banana

4-5 fatias de pão duro
75-100 gr de creme de chocolate e avelã (nutella caseira ou de compra)
200 ml de leite (vaca ou vegetal)
2 ovos biológicos
1/2 banana madura
2 colheres (sopa) de açúcar mascavado
2 colheres (sopa) de açúcar demerara
1/2 colher (chá) de canela em pó


Preparação

Cortar o pão em cubinhos e colocar metade num tabuleiro pequeno (15x20cm). Com uma colher pequena espalhar metade da nutella em cima do pão. Colocar o restante pão noutra camada em cima, e espalhar a restante nutella.
Num liquidificador colocar o leite, ovos, banana em pedaços e o açúcar mascavado, e triturar até ficar homogéneo. Espalhar este molho por cima do pão, tendo o cuidado de que este fique todo embebido.
Nesta altura poderá colocar película aderente no tabuleiro e refrigerar até levar ao forno, caso queira preparar com antecedência (à noite, para de manhã só ter de colocar no forno).
Para levar ao forno, misturar o açúcar demerara com a canela e salpicar a superfície do pão no tabuleiro. Levar ao forno pré-aquecido a 180ºC durante uns 25 minutos, até ficar dourado e crocante na crosta. Servir morno.

Bom Apetite!




Amigos à mesa com Gallo Azeite Novo



Nada como uma mesa cheia. Cheia de coisas boas, boa comida e bons amigos. Sempre que podemos juntar amigos à mesa tudo se torna uma celebração. As pequenas coisas ganham mais vida à mesa, quando estamos todos juntos.
Tudo ganha mais sabor se for partilhado. São estes momentos que nos fazem felizes, que nos unem entre histórias e petiscos.

Na minha mesa junto bons amigos e bons petiscos. Todos gostam do verbo "petiscar" e de comer à mão, devagar e com tempo, entre conversas e gargalhadas. Há sempre um bom azeite na mesa, o azeite Gallo. E esse ritual tão português que é molhar o pão no azeite, nunca pode faltar na nossa mesa.
Há tradições que são para manter, rituais que são para serem celebrados entre amigos. O bom português não dispensa molhar o pão ou a broa no azeite. É das coisas mais simples e mais deliciosas.

A partilha deste ritual da prova com os nossos amigos é sempre um momento único e de verdadeiro sabor. Gallo Azeite Novo é vibrante, é fresco, e perfeito para criarmos esse ritual, para tornar algo tão nosso numa experiência única à mesa.
Degustar bons sabores portugueses numa mesa rodeada de amigos, criar combinações e sensações, e partilhar essa felicidade à mesa é o que eu vos proponho.






Este Gallo Azeite Novo é tão bom de saborear com o pão. Juntar a ele novos sabores, ou aqueles que sempre nos sabem bem, sejam pitadas de especiarias, ou algumas ervas aromáticas, sabores inusitados e que criem surpresa ao paladar. Vamos a isso?

Começo com uma sugestão simples e perfeita, juntar umas gotas de sumo de laranja e uma pitada de canela ao azeite, degustar e gostar. Um clássico também fica sempre bem, com um pouco de alho picado e umas folhinhas de tomilho fresco apanhado na horta. Outra sugestão que realça o sabor deste azeite é juntar um pouco de sal Maldon fumado, e mergulhar o pão ainda quente. E um dos meus preferidos desta mesa deixei para o fim e rapei até à última gota, com um toque de baunilha em pasta (podem usar as sementes da vagem se preferirem) e vinagre Gallo balsâmico branco. Está feito o ritual na minha mesa. Com os meus amigos.

Podem seguir estas minhas sugestões, mas sejam vocês também criativos, criem o vosso ritual da prova e os vossos sabores que causem surpresa. O importante mesmo é que sejam partilhados à mesa com amigos.